domingo, 13 de junho de 2010

Dia dos namorados

Um dia triste. Mesmo para os felizes neófitos nas artes do amor e que se julgam acima da média por terem um relacionamento tão perfeito.
O problema é a obrigatoriedade do presente.
Que bom seria se o namoro se bastasse. Assim, por sí só.
Que o dia dos namorados fosse um dia para os apaixonados ficarem apenas olhando um nos olhos do outro em êxtase por estarem contemplando o brilho da alma nos olhos do seu amor.
Como músico, já toquei em muitas cerimônias e festas de casamento. E só de olhar pro casal já sei o que será do seu destino. Qual o ponto de atrito mor. Qual a sincronia, sintonia e sinbiose.
Hoje assisti com minha filha, pela segunda vez, Alice no País das Maravilhas.
E o que o diretor Tim Burton fez com esta história é magistral. Extraiu as entrelinhas tácitas do texto para a linguagem plástica visual, sem ser ululantemente óbvio. Foi um retoque de gênio na releitura da já genial obra literária do matemático Lewis Carol.
Chorei no final.
Alice não passa de uma mocinha acuada pelas responsabilidades que chegam com a vida adulta. Surta esquizofrenicamente e volta do surto decidida e amadurecida.
E é e-xa-ta-men-te esta postura que falta às pessoas que entram num relacionamento e não conseguem ser feliz.
Ciúme tende a aumentar e sufocar o outro. É impossível não senti-lo sem uma mudança interna na sua segurança pessoal, na sua auto-estima. Não adiantaria eu aconselhar a parar de sentir ciúme. Melhor é terminar tudo mesmo. Se auto conhecer, amadurecer e depois entrar noutra história de amor!
A idiotice é sempre a mesma:
Duas pessoas se conhecem.
Gostam de conversar. De estar juntas.
Se admiram mutuamente e gostam disso.
Daí surge a necessidade de se verem todos os dias.
E a isso segue o apego obstinado... querer estar sempre perto... pensar 24 horas naquela pessoa. Fase da concretização da paixão.
Fazem coisas para agradar o outro, são gentis e agradáveis... não peidam e nem arrotam um na frente do outro... fungam se preciso, discretamente... se perfumam, cuidam do visual...
Quando a paixão passa fica o amor.
E então... é que alguns... miseravelmente começam e agir de forma totalmente inversa.
E o que antes os uniu, a convivência agradável... acaba se tornando um fardo que vai pesando lentamente...
Falam coisas para desagradar ao outro. São grosseiros e egoístas. Alguns peidam, arrotam... e perdem completamente a elegância e agentileza tão agradáveis, com seu parceiro. Desleixam o visual. Estão seguros da conquista. Agora querem o poder.
E podem levar tempo demais para perceberem que não se amam mais... ou que simplesmente detestam um ao outro, não a pessoa em si, mas a mera convivência.
Quem gosta de se aproximar e conviver com uma pessoa egoísta, deselegante e insensível? Insegura e ciumenta?
Por isso meus caros amigos que namoram...
Nunca percam o respeito por vocês mesmos e pelo outro. Sejam gentis.
Ele: mande flores e vista-se bem, nenhuma mulher resiste a palavras e gestos doces de um homem bem vestido, educado e sincero.
Ela: seja sempre feminina nos gestos e na fala, pule no colo dele de felicidade ao vê-lo, não hesite em chorar de fragilidade ne frente dele e pedir ajuda. Faça-o sentir-se importante para você.
E o presente de dia dos namorados...?
Terá muito mais sabor um par de meias dado por um namorado que te faz feliz todos os dias, do que um passeio romântico num barco maravilhoso com direito a jantar à luz de velas e uma dança romântica, que vem como um pedido de desculpas ou com um sentido oneroso ela data fatítica do dia dos namorados.
Abraços.

Nenhum comentário:

Postar um comentário