segunda-feira, 19 de abril de 2010

Dia do Índio.



Aprendi na escola: o índio é um cara bonzinho, sem pêlos, que não sente frio, ama a natureza, pinta o rosto, usa pena de galinha na cabeça, dança em roda fazendo "u" com a boca e batendo com a mão nos lábios. Ah... e usa arco e flecha.

Aprendi com a vida: o índio é um cara marginalizado, e não sabemos nada sobre ele.

Antigamente o Dia do Índio era feriado... comemoravam! Tinham mais é que comemorar mesmo... Queimamos as florestas deles, estupramos as mulheres deles, acabamos com a teologia deles... e nada! Num mundo onde a gente só leva no lombo... encontrar com estas criaturas que não revidam com terrorismo e homens-bomba é muita sorte mesmo. Aqui fomos mais espertos! Acabamos com qualquer possibilidade do índio ter religião! viva a catequese! Nada de fanatismo religioso na nossa sociedade! Ah... tá bom... só um pouquinho... os RRs Soares, Macedos e Malafaias da vida!

Depois, esta data muitas vezes passa batido por nós. 19 de abril é uma data que não significa nada para o comércio! A gente presenteia mãe, pai, filhos (12 de outubro, Natal ,Páscoa...etc...), avós, trabalhador, professor (que não é trabalhador, obviamente, pois professores têm data específica!) e enfim...

Mas...

Quem presenteia o índio?

Afinal... Quantos índios você conhece? Eu conheço o Cacique Juruna... e o Galdino Jesus dos Santos - aquele mendigo (na verdade ele era um pataxó, mas quem lembra?) que uns filhinhos de Presidente de Tribunal de Justiça de Brasília (claro que isso foi pejorativo, pois somente um dos assassinos era filho dele mesmo), atearam fogo no dia 20 de abril de 1997 numa parada de ônibus. (Fonte: Isto É/1931-25/10/2006 p.187)

A culpa é nossa! Nos EUA, vagabundo não se cria nas esquinas sem fazer nada, vai em cana. Aqui na Terra Brazilis, isso só acontecia na ditadura. Agora pode tudo. Nós abolimos a religião das escolas. Dissemos não à Bíblia! Demos superpoderes ao conselhos tutelares (disciplinar filho dá cadeia! Abandonar não!) e aos menores... esquecemos que os menores um dia seriam maiores... e fariam abortos, e continuariam usando drogas, roubando nossos carros, e que alguns, mesmo tendo tudo na vida... incendiariam quem não tem nada! Mas isso é assunto para outro dia.

Bem... Mas voltando ao índio...

Digamos que você conheça um índio pessoalmente. O que se dá de presente para um índio? Chapinha? Cueca? Cafeteira? Mouse USB? 20% das cotas em universidades? Macacão anti-chamas de bombeiro?

No mundo capitalista... dia do índio é data comemorativa, apenas isso... e data que comemora mas não vende, morre!

É só amanhã nas Casa Bahia! Cocar, 365 penas 100% recicladas, à prova de fogo, multicolorido, vários tamanhos, com 2 anos de garantia... por apenas 500 vezes de R$ 19,04!!! É só amanhã!

5 comentários:

  1. Consegues ser tão contraditório e ao mesmo tempo tão lúcido. O nome do índio pataxó morto em Brasília é Galdino mesmo. Pena que as pessoas não percebam o quanto somos índios nas origens, nas falas,... Deveriamos ainda aprender com eles a cultuar o sagrado... sim como eles... a terra mãe!

    ResponderExcluir
  2. Falta-lhe a sensibilidade querida Janete Costa, para perceber que certas colocações no texto, são propositais e portanto devem ser lidas não como uma opinião do autor, mas como uma "anti-apologia" do pensamento da sociedade de modo geral. São as ironias do texto, mal interpretadas, que levam a entender que existem as tais contradições, quando na verdade. refiro-me ao índio na concepção "lato sensu" enquanto visão de uma sociedade consumista e alienada. Interpretações "stricto sensu" são disposições em contrário às intenções originais.

    ResponderExcluir
  3. Terra mãe não existe. A terra é uma criação divina. Como todas as outras coisas visíveis neste planeta.

    ResponderExcluir
  4. Janete Andrades Costa23 de abril de 2010 17:54

    Terra mãe e criação divina? Porque novamente são contraditórias? São apenas comcepções religiosas diferentes. Áh! Desculpe a minha insensibilidade e minha falta de conhecimento em relação ao "latu sensu"... Mas continuo fã do teu blog, amigo!

    ResponderExcluir
  5. Sou criacionista, amiga Janete, se a terra é a mãe quem é o pai? Teoria de Gaya? O pai da teoria de Gaya... será meu próximo assunto... aguardem...

    ResponderExcluir